Flávia&Rafael

with Nenhum comentário

Tudo começou no dia 15 de março de 2013 dentro das instalações da Universidade UNICURITIBA. Ele cursando o último ano de Direito e eu o 4º ano. Eis que Deus decidiu nos unir, no lugar menos provável e imaginável: no estacionamento as 7h30 da manhã. Naquela sexta-feira ao posicionar o carro para estacionar de ré, deixei um espaço para o carro que estava vindo passar e eu continuar a manobra. O Rafael, que vinha logo em seguida, gentilmente parou o carro e esperou eu terminar a manobra (fiquei muito contente com o gesto, pois anteriormente já haviam roubado a minha vaga na mesma manobra). Ele acabou estacionando 2 vagas ao lado da minha e acabamos dando ré ao mesmo tempo, enquanto eu olhava pelo retrovisor esquerdo acabava, inevitavelmente, olhando para ele. Foi nossa primeira troca de olhares. Após este ato, apesar da minha tentativa de impedir que isso acontecesse, retardando ao máximo a minha saída do carro, acabamos subindo o elevador juntos e então foi quando trocamos nossas primeiras frases. Eu, sem a carteirinha, desci no segundo andar que era o único que permitia a entrada pelo número de registro de aluno e ele continuou no elevador e desceu no terceiro andar. Porém, minha sala era no terceiro andar e alguns blocos a frente subi a escada e dei de frente com ele: nossas salas eram no mesmo bloco e andar, mas em sentidos opostos. Ok. Fui para a sala, deixei meu material e peguei minha carteira para ir à cantina, eis que andando pelo corredor ele vem do lado oposto andando no mesmo sentido. Não resisti, rs, chamei para um café! Ele aceitou e desde então não conseguimos mais dizer quando começamos de fato a namorar, poderíamos considerar em maio/13 quando alteramos nossos “status” na rede social, mas nos olhares já se namoravam desde o primeiro dia, então, o dia 15/03 que ficou marcado.

Depois desse dia tivemos tantas histórias, tantas batalhas e conquistas: o primeiro beijo na biblioteca, nossas aprovações na OAB, a formatura dele, viagens inesquecíveis, a minha formatura, a perda de entes queridos, buscas e descobertas sobre nós mesmos e nossa família, crescimento espiritual. Afinal, foram 1.948 dias bem vividos até o casamento.
Desde o início conversávamos, pensávamos e planejávamos o casamento. Ele me prometeu que não ficaríamos noivos até que tivéssemos uma data, não mudaríamos o “nome” do nosso “estado civil” para ficarmos “eternamente noivos”. Mas a data nunca vinha. Não por não querermos, mas porque ainda não era o momento. Até então, não compreendíamos e queríamos muito casar, ter nosso lar e formar nossa família.

Desde o início do namoro oramos juntos todos os dias, não importa os compromissos ou a distância, seja pessoalmente ou por Skype ou telefone. Jamais esquecerei as palavras dele e a oração que fez (que passamos a fazer continuamente): “que o Senhor seja o elo de sustentação do nosso relacionamento, que o nosso amor, um pelo outro, cresça a cada dia, assim como nosso amor por ti”. Passamos a pedir que Deus preparasse um lugar para morarmos, um concurso para o Rafa passar, uma cidade para nos receber. Pode parecer piegas, “crentesco” ou promessa pentecostal, mas temos absoluta certeza que o nosso casamento aconteceu exatamente da forma e no momento que Deus escolheu.

No início desse ano, bem no carnaval, em fevereiro, o Rafa foi aprovado na 2ª etapa de um concurso em Santa Catarina e junto com os festejos nossos corações já estavam ansiosos para se tornar um e o assunto casamento começou a pulsar. Em março veio o resultado da 3ª fase e o que era sonho começou a se tornar realidade. Decidimos que casaríamos em dezembro de 2018 e iniciamos a procura por locais e fornecedores.

Mal começamos a pesquisar e eu já estava exausta, não de planejar o casamento, mas de lidar com as expectativas e vontades de nossas mães (sogra, sei que você vai ler, mas vocês duas foram difíceis e pivô da mudança de data kkkk). Foi quando vi que as ótimas relações que havíamos construído (com minha mãe e com minha sogra) poderiam ruir. Nesses momentos dá uma vontade TÃO grande de só casar no cartório (não façam isso, vale a pena e as meninas do Videira arrasam demais). Então, o Rafael me vendo estressada falou que não precisávamos passar por tudo isso e podíamos “simplificar” (tão fácil para eles, né?) e antecipar o casamento, assim eu já iria com ele em Julho (previsão para chamarem no concurso). Poderia não ser fácil, era abril, mas aquilo me deu taaaanta paz.

Pegamos o calendário e falamos VAMOS CASAR DIA 15/07. Depois descobrimos que era final da copa, hahaha então mudamos para 14/07, reduzimos a lista do casamento por menos da metade (eu tenho as planilhas ainda, uma com 200 convidados, outra com 120 e finalizamos com 48). Mas tudo foi fazendo tanto sentido e foi se encaixando de um jeito fenomenal.
Nossa primeira contratação foi o Carmina Bistrô. Me apaixonei na primeira foto. Era a minha cara ali! Quando fomos conhecer pessoalmente e vi os botões na parede do banheiro não tive dúvida (tenho coleção de botões [de roupa]). O Rafa também curtiu e participou de todas as escolhas. A partir dali partimos para as demais.

Preciso confessar, que quando vi o Carmina com sua personalidade própria não pensei em contratar ninguém para a decoração, as meninas inclusive incluem no contrato flores para todas as mesas. Além disso, tenho uma relação pessoal complicada com flores naturais, rs, coisa minha.
Porém, minha sogra começou a me mostrar o Instagram do Videira, eu tinha calafrios a cada foto que ela mostrava Hahahaha! Não pelas flores, arranjos, pelo contrário, era tudo lindo, de bom gosto e muiiiito luxuoso, requintadíssimo, mas diferente do que eu estava imaginando (e minha sogra só mostrava aquelas super, mega clássicas e chiquérrimas). Eu queria algo mais intimista, que tivesse a nossa cara, mas que aos olhos dos outros era “simples”. Questão de gosto. Enfim, a pedidos dela, marquei e fui conversar com a Andria. Ela deu inúmeras ideias que eu nem imaginava ou sabia o que era, mas estava amando. Ao longo dos poucos meses que se seguiram fomos trocando ideias e quando eu falava com ela, as sugestões que ela dava me deixavam completamente segura. Eu percebi que ela entendia o que eu dizia, ela conseguia ler a minha imaginação hahaha (Andria, você arrasa muito).

Fui uma noiva muito tranquila, confesso, senti paz em todo os preparativos, pois tinha certeza que Deus estava cuidando de todos os detalhes. Mas, ainda assim, estava muito curiosa para ver essas ideias que trocamos na prática. Como iriam ficar as cores, o Carmina todo vermelho com as flores amarelas e laranjas que escolhi. Se você já viu as fotos já sabe, mas, se ainda não viu se prepara, porque ficou de encher os olhos de brilho. Ficou lindo demais e fez TODA A DIFERENÇA no meu casamento.

Videira, o casamento não seria o mesmo sem o toque de vocês! Queria que o buquê durasse para sempre para ter no meio da minha sala por toda a vida. Ainda bem que os fotógrafos maravilhosos que contratamos eternizaram cada detalhe para nós. Por vezes me pego olhando as fotos, namorando e relembrando este dia lindo.

Se fosse casar mil vezes, casaria mil vezes no Carmina e com as flores e decoração do jeitinho que vocês fizeram, sem tirar nem pôr um ramo sequer. Sou suspeita para falar, mas achei o meu casamento o mais lindo e mais bem decorado do muuuuuuuundo!